Opinião

O que vou escrever é o que penso, não é uma afirmação pois não tenho provas para o confirmar.

Com sacrifício e repugnância ouvi o discurso da ministra da saúde e o que ela disse acerca das mortes desde Novembro, é verdade. Sim, é verdade, MAS ela parte do princípio de que o povo é suficientemente iletrado para acreditar.

 Então o que é verdade?

É verdade que em Novembro o excesso de mortalidade corresponde em cerca de 95% às pretensas mortes COVID.  Sim, eu tenho isso nos números oficiais diários. O excesso em relação à média dos anos anteriores corresponde diariamente em 95% às mortes ... 67,8 de excesso por dia, em média.

Porém, há quem saiba olhar para esses números e os veja pela lógica. Porque razão a esmagadora maioria tem mais de 75 anos??

Muito fácil: ninguém vai contestar que o idoso do lar ou o que foi hospitalizado em edema agudo do pulmão de causa cardíaca ou com dispneia por embolia pulmonar, ou por pneumonia por todas as causas, ou por insuficiência renal, ou por agudização de uma doença pulmonar ou cancro, tenha morrido com COVID

Muito mais difícil, senão impossível, é provar que alguém de 20 anos ou mesmo 30, cuja causa da morte a família tem conhecimento, tenha sido por COVID. Mesmo assim isso acontece e temos o testemunho da família cujo familiar, hospitalizado por hemorragia cerebral por crise hipertensiva é posto no rol COVID.

Assim se aumentam os casos de morte por SARS-COV-2 de modo a diminuir o excesso de mortalidade devido à falta de assistência médica.

Há muitas manhas para tentar sair de maneira airosa e fugir às responsabilidades e eis que encontraram a maneira certa pois ninguém pode provar o contrário.

Sinceramente senhora ministra (propositadamente em minúsculas) não tente enganar quem, por muito ter vivido, de certo muito sabe.

Eis o gráfico, desde Março, do excesso de mortos dos grupos etários 75+++ em relação a 2019: como podem ver a codificação dos mortos por COVID nesses grupos etários, fez com que fossem os responsáveis do excesso em Novembro. Antes as duas curvas não tinham relação alguma. Só em Abril, a mortalidade por COVID teve um pequeno impacto no total.

Data: 
12 Dez, 2020
757 leituras