Normas de testagem no cadáver

Normas de testagem Covid-19 nos cadáveres

O número de óbitos com teste positivo ao SARS-COV-2 é importantíssimo para fins epidemiológicos. Porém, num determinado óbito, não deve ser confundido com a causa da morte .

No nosso País há normas que regem os processos a efectuar em caso de morte:

https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/normas-e-circulares-normativas/norma-n-0022020-de-16032020-pdf.aspx [este documento delectado e substituído em Fevereiro 2021 (ver AQUI)]

Depois de ler atentamente há aspectos que quero realçar:

  1. Em todos os cadáveres que necessitem de autópsia os testes post-mortem são OBRIGATÓRIOS (é lógico).
  2. Em caso de morte violenta ou causa ignorada, o corpo não é removido até se saber se havia um teste prévio, na ausência do qual o teste post-mortem é OBRIGATÓRIO.
  3. Em caso de morte em instituição residencial o teste SÓ NÃO É OBRIGATÓRIO SE não houver nenhum caso na instituição e se a causa da morte era evidente sem relação à COVID.
  4. Em caso de morte a domicílio haverá um inquérito sobre eventuais contactos e/ou sintomas suspeitos. À mínima suspeita ( é fácil encontrar suspeitas) o teste post-mortem é OBRIGATÓRIO.

Em qualquer caso o médico deve declarar

  1. a CAUSA DA MORTE e
  2. o RESULTADO DO TESTE.

Perante isto, posso mais uma vez confirmar que os números de mortos COVID com que nos bombardeiam todos os dias correspondem aos resultados positivos dos testes nas pessoas falecidas e não à causa da morte. Nos noticiários, sem respeito algum pela população, aterrorizam os mais frágeis psiquicamente e fisicamente com números que só servem para fins epidemiológicos e não correspondem de modo algum às causas de morte.

Por exemplo, nas 24hde 8 de Nov.  "NÃO HOUVE 63 mortes" devidas à COVID mas sim

"63 TESTES POSITIVOS  em pessoas falecidas sabe Deus por que causa de morte, entre os 364 óbitos ocorridos no mesmo espaço de tempo".

E nem vale a pena falar do "cycle Threshold", nem da especificidade do teste em causa, nem dos falsos positivos.

Data: 
9 Nov, 2020
1,447 leituras