Nos artigos que dediquei ao teste PCR, usado para detectar os casos positivos, referi entre outros problemas o número de ciclos de amplificação e os primers usados. Para os que não leram, encontram em "Artigos" -> "Teste PCR". No último artigo, intitulado "TEMPO DA VERDADE VIR À SUPERFÍCIE" , informei-vos de que o trabalho científico que deu origem ao protocolo da OMS para esse teste, foi analisado por um grupo de cientistas a nível internacional, os quais não fazem parte da Eurosurveillance. Foram encontrados muitos erros e conflitos de interesses. Assim foi enviada uma carta à Eurosurveillance para que esse trabalho seja retirado. Vejamos o que aconteceu.

Aqui temos de novo o pedido de retirada da publicação do trabalho de David Corman e Colaboradores, entre os quais Chantal Reusken, publicado na revista "Eurosurveillance January 23, 2020".

Entretanto Eurosurveillance respondeu:

December 6, 2020, 07:15 PM

Volume 25, Issue 48, 03/Dec/2020 Editorial note We have recently received correspondence regarding a paper published this year, questioning both the content and the editorial procedures used to evaluate the article prior to publication. We can assure our readers and authors that we take comments relating to scientific content, the processing of articles and editorial transparency seriously. All articles published by the journal are peer-reviewed by at least two independent experts in the field (or at least one in the case of rapid communications). The article in question was also peer-reviewed by two experts on whose recommendation the decision to publish was made. Eurosurveillance is seeking further expert advice and discussing the current correspondence in detail. We will, according to our existing procedures, evaluate the claims and make a decision as soon as we have investigated in full. In the meantime, it would be unfair to all concerned to comment or discuss further until we have looked at all the issues. Details on the editorial policies and processes are available here. https://www.eurosurveillance.org/con....25.48.2012031

Last edited by sharon sanders; December 6, 2020, 07:47 PM. Reason: added date

Traduzindo, asseguram a sua seriedade e transparência afirmando que o artigo foi sujeito a peer-review por dois especialistas e que a publicação foi baseada na recomendação desses especialistas. Estão a pedir nova análise desse trabalho e a  decisão será tomada quando esta segunda análise for concluída.

Entretanto, a 24 de Setembro 2020, Eurosurveillance fez um elogio aos colaboradores das peer-review dos trabalhos dedicados ao SARS-COV-2, a que chamou "Peer Review Week 2020: Eurosurveillance thanks all COVID-19 reviewers for their amazing work". Tudo isto seria normal se os nomes de David Corman e Chantal Reusken não estivessem entre esses colaboradores, como podem verificar na listagem dos nomes que estão por ordem alfabética do segundo nome. É fácil deduzir quem foram os dois especialistas que fizeram a peer-review em 24h ao trabalho de Corman e Reusken (recebido a 21, aceite a 22, publicado a 23/Jan/2020).

Continuamos a aguardar o desenrolar da novela.

A OMS tem conhecimento de tudo isto, (se nós temos, eles tiveram muito antes) e já deveria ter alertado o mundo (pois não o fez em Maio) para o enormíssimo problema dos testes que estão a criar esta pandemia de falsos positivos e sobretudo segundas vagas irreais.

As implicações de tudo isto são gravíssimas, não só a nível do número de casos como do número de óbitos. Em resumo, está tudo errado desde o início. Houve um surto de pneumonias graves, sim, um novo vírus, dizem, mas as proporções que tudo isto tomou e as consequências socio-económicas a nível mundial estão assentes em areias movediças, um teste feito com um protocolo errado, a conivência da OMS, etc. etc.

Se eu, que nem sou especialista em biologia molecular, detectei o problema, e escrevi em Setembro sobre este assunto, os cientistas da OMS detectaram-no em Maio, de certeza, quando foi publicado o trabalho de Jared Bullard e colaboradores. sobre o "cycle threshold", cujo trabalho usaram como referência no Scientific Brief de 9/07/2020.

Entretanto a análise tem continuado e neste momento (21/Janeiro/2021) uma adenda foi apresentada (ver artigo aqui). 

The primer pair for the RdRp gene was shown to create a positive PCR test result in the absence of SARS-CoV-2. This can happen when the primer design is suboptimal and the primers react with themselves in the absence of the virus. Insufficient test specificity and primer design flaws seen in Corman-Drosten's SARS-CoV2 qPCR assay creates a high number of false positive and false negative results.

O que, traduzindo diz que os maus "primers" escolhidos reagem entre eles dando resultados positivos na ausência de SARS-COV-2

Data: 
13 Dez, 2020
2,486 leituras